Tamagotchi, volta.

Todos vocês se lembram do Tamagotchi certo?
Estive à uns dia a ver uma publicação que iria sair novamente um novo Tamagotchi em ponto mais pequeno. E pensei “Que saudades que eu tenho disso”.
Antigamente, não éramos influenciados pela Internet, pelos smartphones, e efectivamente éramos crianças felizes, pelo menos, eu era feliz.
Apesar de ter sempre tido computador desde criança, sempre preferi mais ver televisão, brincar com as minhas bonecas, brincar com farinha e água não ligando muito à tecnologia, que verdade seja dita, eram uns calhamaços do caraças.
E isto bateu saudade ao reler esta notícia.
Acho que foi dos melhores brinquedos que tive, porque tínhamos que tomar conta de alguém, tomar conta de um bichinho virtual.
Dar de comer, dar vacinas quando ficava doente, coloca-lo a dormir, brincar com ele, era tão engraçado.
Tínhamos mesmo a preocupação de tomar conta dele e começar assim desde criança é bom, porque quando crescemos, mantemos-nos sempre preocupados com alguém. Vocês não têm saudades?
Ele saiu em Portugal em 1997, portanto, acredito que muitos de vocês ainda brincaram com um. Nem que fosse os das lojas da Galinha gorda que não eram os originais.
O cuidado que tínhamos com o nosso tamahotchi, reflecte-se quando nós crescemos, é verdade. Se calhar, é por isso que os miúdos de hoje em dia, fogem dos animais, maltratam os animais, não se preocupam com os outros, apenas nele, maltratam os colegas, não sei… Também os tempos mudaram, mas assusta-me o comportamento das crianças. Querem ser adultas, sem saberem o que é viver.
Eu admito que já pensei nisto muita vez, que, quando eu ser mãe, nunca vou dar um telefone para as mãos do meu filho, nem tablets, nada, vai ter que ter uma vida normal como eu tive, sem tecnologias em redor dele. Porque parecendo que não, isso compromete a evolução da criança.
A criança tem que crescer, tem que cair, esfolar-se todo (no bom sentido), tem que aprender a andar de bicicleta, tem que aprender o que é inventar para criar qualquer coisa, tem que aprender tudo aquilo, que me fazia feliz, quando eu era criança.
Eu não vou admitir que ele tenha novas tecnologias nas mãos basicamente desde que nasce, como eu vejo por aí, é horrível, o cérebro nem sequer desenvolve como deve de ser.
Depois admiram-se que os filhos são anti-sociais.
Se tiver que algum dia oferecer um tamagotchi a um filho meu, até o ajudo, para perceber a importância de cuidar de alguém, cuidar de algo. E pode ser um jogo estúpido, mas vendo hoje, com 24 anos, acho que tem a sua sensibilidade para as crianças, ensina-lhes alguma coisa, mostra-lhes o que é cuidar e partilhar, ensinar e tomar conta.
Tenho tantas saudades de ter um Tamagotchi…
E sinceramente, tenho muita pena de ver as crianças assim, não saberem o que é realmente bom, porque estão mecanizados para as tecnologias.
Aliás, quase que já nascem ensinados, que por vezes até fazem coisas que nem eu sabia.
Enfim…

Volta Tamacotchi, estás perdoado!

19 Comments

  1. Eu ainda tenho o meu primeiro (que comprei sozinha com dinheiro de rifas que fiz) e continuo a achar que eram um máximo! Se bem que os meus morriam rapidamente (se não pusesse o meu pai a tomar conta dele durante o dia) visto não o poder levar para a escola.

  2. Bem… se vai sair um novo em tamanho mais pequeno então será de um tamanho de uma mosca?! O normal já não era grande ahaha xD mas gostei da ideia, eu adorava brincar com isso!
    Mas concordo com tudo o que dizes, ultimamente penso no mesmo… vejo pela minha sobrinha de 4 anos.. sabe mexer em tablets e tudo mais e eu fico parva da vida!

Podes comentar aqui