Esta é a verdade.
E pensava eu, no meu pequeno mundo, no meu pequeno sentimento, que não existiam já boas pessoas.
Quando digo boas pessoas, falo de pessoas que se preocupam com as outras, mas sem as conhecerem de lado nenhum e pensava eu que isso já tinha deixado de existir.
À cerca de um mês, tive uma cliente na loja que por motivos de resolução de problemas de telecomunicações foi lá, zangada claro, mas tudo tranquilo. Ela é uma rapariga nova, que sabe distinguir com quem deve ou não ralhar quando existe alguma falha por parte da operadora. Não é como a maioria que chega lá grita e pronto, como se fossemos os culpados de todos os problemas do mundo das telecomunicações.
Ela não é assim… E sendo assim, a última vez que a atendi, falamos.
Tivemos algum tempo a falar, visto que não aparecia ninguém na loja, estivemos a partilhar algumas situações menos desagradáveis, e sinceramente, eu andava a precisar de deitar tanta coisa cá para fora, que calhou falar-lhe do que tinha, do que estava a fazer.
Basicamente essa rapariga passou pelo mesmo que eu, alías pior, pois na altura que se passou tudo isso com ela, foi mais grave do que o meu. Mas foi tão bom aquele bocadinho com ela, que senti-me um pouco aliviada.
Hoje em dia as pessoas são donas do seu próprio umbigo, não querendo saber que tenham problemas ou não, e com essa rapariga não foi assim. Foi diferente, foi bom partilhar aquilo que sentia.
Quando eu falei com ela, foi de tal maneira a conversa, que me veio as lágrimas aos olhos pelo desabafo que fiz e fiquei feliz por ver a atenção que ela tinha para comigo.
É bom sentir alguém que te ouve e não diz sempre o mesmo. Eu sei que aqueles que me rodeiam me adoram e dão o melhor que podem… Mas por vezes isso não chega, infelizmente.
E sabem o que aconteceu? Passado um mês basicamente, chegou à loja não para tratar de situações, apenas para isto:
“Eu não vim cá para tratar de nada, só quero saber se estás bem, se te sentes melhor? Podes contar comigo para o que precisares. Deixo-te o meu número para poderes falar comigo sempre que precisares”.
Vocês sabem o que é ouvir isso? De uma pessoa que é apenas uma cliente vossa? Vocês sabem a emoção que bateu  cá dentro ver alguém que não me conhece de lado nenhum, ter esta preocupação comigo?
Foi das melhores sensações que tive. Ver alguém que se importa comigo, que se importa com aquilo que sinto, com aquilo que desabafei.
E não estou a falar de familiares do meu namorado, estou a falar de alguém, alguém que apenas apareceu e me ouviu, alguém que se preocupou comigo e não veio desatar aos berros comigo para tratar de alguma coisa.
É bom, é bom ver que existe pessoas boas no mundo, é bom ver que existem pessoas que do nada se tornam qualquer coisa.
Eu não sei. Fiquei confusa, com medo até, porque já estou tão cansada de levar com pés de supostas amigas que admito tenho medo, mas, nunca ninguém fez o que ela fez comigo. Nunca ninguém se preocupou desta maneira comigo.
Eu juro que nunca pensei que isto alguma vez na minha vida me fosse acontecer. Vim pelo caminho a pensar que isto é uma situação tão improvável que assusta de uma certa maneira. Mas a necessidade de ter uma amiga fala mais alto.
Vocês podem pensar que estou em desespero, mas não é o desespero, é a necessidade de ter alguém para deitar alguma coisa cá para fora.
Partilhar coisas com uma amiga, não é a mesma coisa que partilhar com familiares ou com o teu companheiro. Vocês sabem como é, de certeza que sim. E é isto que sinto falta.
Tenho poucas amigas, que dá para contar apenas com uma mão, mas infelizmente estão longe de mim, e basicamente falamos por mensagens. Mas falar por mensagens não dá para escreveres tudo aquilo que sentes, não dá para descreveres como te sentes, dar até dá, por meia dúzia de palavras.
Não é a mesma coisa , e eu uma vez na minha vida só queria alguém que tivesse ao meu lado e não me deixasse de parte. Queria alguém que não me usasse para dar boleia, alguém que não dissese que está doente e no entanto vai sair com outras amigas deixando tudo o que tínhamos pendurado.
Preciso de alguém que efectivamente esteja do meu lado. Como tenho uma amiga muito importante para mim, que se a perco, então aí muita coisa deixa de fazer sentido.
Estou a fazer-me entender certo? Estão a perceber que isto não é desespero, mas sim cansaço, de levar com mentiras, cansaço de ser enganada, de apenas servir para beber copos. Estou cansada… Se não faço sentido na vida de alguém digam-no directamente, não façam sofrer. É horrível a sensação de ver uma amizade a acabar, só porque sim.
Eu sei aquilo que sou e sei que felizmente ou infelizmente, dou tudo de mim às pessoas que são supostamente minhas amigas, mas depois lixo-me sempre e isso magoa!
Magoa tanto que dá para sofrer e continuar a sofrer durante meses. Porque sentes falta, falta da pessoa, falta de desabafares com ela, falta de muita coisa.
As amizades não são difíceis, as pessoas é que as tornam difíceis. E isso não é bom.
Criam uma bola de neve tão grande que de um dia para o outro já te estão a mandar passear, porque efectivamente não prestas.
Mas prestas, quem não prestas são os outros que fizeram o que fizeram…
Enfim…

Basicamente é isto que queria partilhar, afinal existem boas pessoas, existem pessoas maravilhosas, escondidas, mas existem.