A verdade é que todos os dias vemos constantes relações amorosas a começarem e acabarem. E não falha, todos os dias ouvimos “Comecei a namorar com o X” ou então “Acabei com o Y“.
Até aí tudo bem, é importante existirem começos de relações, para dar fruto de uma nova paixão da qual podemos ver a olho nu.
Mas claro que, as relações em que colocam um ponto final, sendo bom ou não, dependendo do estado da relação, temos que saber ouvir, escutar e apoiar.
No entanto existe um tipo de comportamento entre casais que mexe comigo e não o digo só por achar uma tamanha parvoíce de assim o acontecer, mas a forma como se prejudicam, não tendo mínima consciência disso é o que me dá volta à cabeça.
Sim estou a  falar do tipo de relação em que, uma pessoa abdica de tudo e de todos por causa do seu parceiro. E o que mais me intriga é o facto de ver essa situação em pessoas com idades de serem meus pais.
Então eu pergunto-me: Mas vivemos em que ano? Em um mundo em que temos de ser apenas um para o outro e para mais ninguém?
Faz sentido abandonar os amigos? Os familiares? Os conhecidos?
Faz sentido deixar de ir beber uma cerveja ao café sozinha, ou ir sair para a noite porque tenho alguém?
E não não faz sentido, no máximo o que podemos fazer é enquadrar o que gostamos de fazer com a pessoa que se juntou a nós, não deixar de fazer só porque começou uma relação.
Temos que ser realistas, pois poderá acontecer inúmeras situações neste tipo de relação:

  • O tempo de duração da relação poderá ser mínima: Visto que vivem um para o outro, só um para o outro e nada mais do que um e o outro;
  • A estabilidade do casal poderá não se manter: O sentir-se incapaz de fazer alguma coisa por causa do companheiro, o sentir-se mal por fazer algo sem a pessoa;
  • O cansaço da relação: Que é a pior parte. Pois vivem tanto um para o outro, sem mais ninguém ao seu redor, que acabam por chegar a uma fase das suas vidas e desistem, pois estão fartos um do outro.

Atenção, poderá ou não acontecer. Se não acontecer também tenho que admitir, é no mínimo estranho.
Isto porque, deixar de viver por causa de alguém é assustador. E se, o fizeram, pensem bem no que estão a fazer.
Nunca deveremos abdicar do que gostamos de fazer, por alguém. E deixar os amigos? A tua família? Isso é imperdoável.
Deixar aqueles que sempre tiveram do teu lado, a apoiar-te nos teus momentos mais difíceis, os teus fieis companheiros, por causa de alguém, por causa de uma relação? É falta de humildade da tua parte.
Devemos ter relações claro, devemos casar, ser felizes, mas nunca, nunca deixar os teus amigos, os teus familiares para trás, sabes porquê? Daqui a uns tempos o teu mundo encantado poderá acabar e ficarás sozinho. E depois?
O que vai na tua consciência? O que vais sentir? Represálias por teres abandonado meio mundo que te era querido por alguém que não valeu de nada. E mesmo que continuem felizes para sempre, de que te vale ter uma vida sem amigos e familiares? A tua vida não gira à volta de com quem tu estás, mas sim de todo o conjunto de pessoas que te fez e te quer bem.
Mas é claro isto é uma mera opinião minha que poderá não contar para ti, porque vives tão obcecado por essa pessoa que tudo isto que te estou dizer é simplesmente um ataque. Lamento que assim o penses.
Uma relação estável, saudável e feliz é quando existe:

  • Amor próprio e amor pelo outro;
  • Quando ambos fazem as coisas que gostam;
  • Ambos estão com os amigos e familiares sempre que querem;
  • Não precisam de deixar de falar às pessoas que lhes são queridas por causa do companheiro;
  • Que fazem de tudo, um pelo outro, para se manterem felizes e terem uma relação natural e saudável.

E claro que existem mais coisas mas, é fundamental ter pelo menos estas em consideração.
Acreditem, assusta-me imenso ver este tipo de relação, é uma sensação sufocante, nunca na minha vida iria abdicar dos meus entes queridos e amigos por alguém, isso é no mínimo egoísta fazer isso às pessoas que fariam qualquer coisa por ti.