Quando decides que queres ter a tua liberdade e viver por conta própria, pensas que é a melhor opção da tua vida.
Na realidade até é, pois tens a tua independência, as tuas coisas, o teu dinheiro, mas há que lembrar que acabam umas certas situações em que eram os teus pais a tratar.
Hoje, vou partilhar com vocês as coisas que mais detesto fazer nesta vida de adulta, não dá para fazer uma lista gigante, mas a lista mesmo sendo pequena ainda é relevante partilhar.
Então vou partilhar algumas coisas com vocês que eu não gosto nada de fazer, mas, tenho que as fazer.

BIG LIST (OR NOT):

  • Tratar da casa – Falo por mim, estava habituada a limpar só o meu quarto, o resto era os meus pais, e porque eu fazia grandes birras para não limpar. A roupa nem lhe tocava (sempre fui bastante preguiçosa, coitada da senhora mãe, mas pronto). Cozinhar? Nem pensar nisso, a minha mãe bem me tentou ensinar, sempre mandei lixar isso, hoje claro, tenho que ir à internet ver como se faz (tenho 25 anos, que tristeza).
  • Comprar um carro – Nunca pensei que algum dia iria comprar um carro (e atenção é em segunda mão), pois tinha o do meu pai. Ele sempre me disse que seria meu. Na verdade era para ser meu, se eu fosse capaz de no mínimo arrancar com ele…. Portanto, com um carro inteiro para mim, tive que largar dinheiro a comprar um, porque nem arrancar com o do meu pai consegui……
  • Tratar da saúde – E nisto falo de marcar consultas e ir às consultas. Ok, ir às consultas sozinha até faz um certo sentido porque enfim, os pais também não têm que ouvir tudo não é (por essas e por outras é que a minha mãe soube que já não era virgem), no entanto, é uma seca, estar na sala de esperar, a rezar dois terços para que o tempo passe… Sim porque, no que toca a consultas, ainda peço aos meus pais para lá irem marcar, tanto consulta da médica como para adquirir a pílula (o que é, eles estão mais perto do centro de saúde do que eu)!
  • Tratar de papelada – Sim esta parte é a que detesto mais, ir À Segurança social por exemplo, é um tédio, é para uma pessoa morrer literalmente sentada ou em pé, depende da quantidade de seres humanos que lá estejam, que na verdade, não costumam ser nada poucas. Ir às finanças? Felizmente não preciso de lá ir muita vez, porque cada vez que vou só vejo barracas (ao menos ajuda a estar entretida).
  • Contas e mais contas – Depois tens esta cena das contas, contar o dinheiro, para conseguires pagar as tuas contas e conseguir comprar alguma coisa para mim. Depois, o problema é não teres que chegue… Pronto, ou pedes com muito amor aos teus pais, ou estás desgraçada.
  • Preocupação com a casa – Isto no sentido de, eu tenho uma cadela e um gato juntamente uma casa. Quando saiu de casa, fico com o coração nas mãos, principalmente com a Tucha que fica sempre no quintal. O faísca só me preocupo, por questões de segurança, pois estou sujeita a entrar e ter tudo partido. Quanto à casa, é a nossa casa, temos as nossas coisas e sinto-me sempre preocupada, caso alguém decidi fazer uma visita indesejada.

E poderia continuar a lista, mas começava a ficar muito extensa e vocês iriam mandar-me dar uma curva. Mas a verdade é que, nunca nos podemos esquecer de uma coisa e tirar uma lição no meio disto tudo… Podes querer a tua liberdade, a tua privacidade, mas vais sempre, precisar dos teus pais, nem que seja para marcações de consultas no centro de saúde. E por isso, não convém esqueceres-te desse pormenor, sente-te feliz por isso, há quem tenha os piores pais do mundo.
No entanto, a tua vida altera-se completamente (felizmente ainda não tenho filhos), és tu a adulta, és tu a responsável pelas tuas coisas, pelos teus gastos, pelas responsabilidades que irás tratar após decidires pagar a primeira tua renda de casa.
Mas claro, é muito bom, termos o nosso próprio sítio, a nossa própria casa e as nossas coisas, aliás, não há nada melhor (a não ser que fosse para o Havaí, se calhar ficava ainda mais feliz).

E vocês, o que menos gostam na vossa vida de adulto?