Anos feitos, chegou a altura de falar do que aprendi ao longo destes anos. Acho que será um bom tema para começar esta jornada de um quarto de século.
Todos nós aprendemos uma série de coisas ao longo de anos o que nos faz obter bastantes aprendizagens, no meio de tanta felicidade e desilusão. E por isso, aqui estou eu para partilhar com vocês, o que aprendi ao longo destes 26 anos.

  • Os amigos são diferentes daquilo julgamos. Felizmente, passam imensas pessoas na nossa vida, algumas ficam, outras vão. A verdade é que são mais aquelas que vão do que aquelas que se mantêm ao teu lado o resto da tua vida.
    A verdade é que, são poucas ou nenhumas, pessoas que entraram na minha vida e se mantiveram. Infelizmente, o mundo está cheio de pessoas que apenas pensam nelas, que preferem destruir vidas em vez de serem bons companheiros. Isso tenho aprendido com muita frequência, até que, desisti de ter fé em pessoas. Daí gostar muito mais de animais… As pessoas estão cada vez mais, gananciosas, egoístas, destrutivas… E isso, faz com que o mundo, se torne pior.
  • Amores há muitos, mas um dia há um que fica. E sim, estou a falar no amor de um parceiro. Podes passar a tua adolescência a arranjar mil namorados. Uns desiludem-te, outro traem-te, outros trocam-te… Não são fies. Ou tu mesmo te fartas da pessoa que está contigo.
    Mas um dia, acabarás por encontrar alguém, alguém que queiras passar os teus dias, construir uma família, uma casa, e seres realmente feliz.
  • A vida não é um mar de rosas. E quem diz que é, está a mentir. A vida prega-nos constantemente com muros à frente em que temos que tentar passá-lo, ou de lado, ou por cima, ou por baixo, de uma maneira qualquer e demora. Por vezes demora tanto, que pensamos que nada do que fazemos faz sentido, que a nossa vida não faz sentido. Mas pensa que é só uma fase. Todos nós temos fases complicadas, infelizmente, por vezes não conseguimos gerir da melhor maneira, mas algum dia, acabará.
  • Somos mais fortes do que julgamos. Por vezes, quando sentimos que tudo está perdido, na verdade poderá estar, mas somos fortes para aguentar. Vai depender da capacidade mental de cada pessoa. Mas somos fortes.
    Por vezes conseguimos até ser mais fortes do que aquilo que julgamos. Podemos ter o exemplo de pessoas doentes, com cancro, o que seria delas, se não tivessem que ser fortes? Se calhar a doença encarregava-se mais rápido de tratar do seu fim. Todos nós temos a capacidade de aguentar, e nós, não temos limite, nós é que nos habituamos a pensar que temos limites.
  • As mulheres são umas bestas. Desculpem, mas somos todas umas grandes bestas. Não podemos trabalhar juntas, não podemos estar em grupo juntas muito tempo. Chega a um ponto que existe uma ovelha negra no meio de mulheres que começa a destruir o ambiente que existe e começa a dar cabe de tudo e de todos só para conseguir destingir das outras.
  • Os erros cometido ficam para trás. Todos nós temos que ter a capacidade (e uma mente forte) para deixar todos os erros que se cometeu para trás. É passado e o passado é para ficar para trás. Não estou a dizer para te esqueceres, pois isso nunca vai acontecer… Mas não podemos deixar que prejudique o nosso futuro e complicar aquilo que merecemos.
  • Gosto de artes. Sabia que adorava artes, em pequena, quando andava na escola básica, mas depois tudo ficou esquecido. Até um dia me lembrar de começar a fazer desenhos e afins, e agora parecer uma louca a querer fazer tudo e mais alguma coisa. Que saudades… É tão bom fazer coisas boas.
  • Mudamos os gostos, mudamos o comportamento. Todos os gostos que tínhamos, vão mudando ao longo dos anos. Antigamente gostava figos hoje já não os consigo comer. Estamos sempre em alterações, o nosso corpo muda, os nossos gostos mudam, a nossa alimentação muda, tudo muda. Mesmo que demore, mas acaba por mudar. E o nosso comportamento, felizmente muda. Se não, actualmente andava a bater em todo a pessoa idiota que me passa à frente.
  • Passam os anos, mudam as responsabilidades. E claro que, ao longo dos anos, as responsabilidades aumentam, tudo aumenta. Tornas-te adulto e partir desse momento, a boa vida acaba. Não vale a pena tentares regredir, não te vai ajudar em nada, vai dificultar aquilo à qual estás destinado.
  • Um olho no burro e o outro no cigano. Com tanto acontecimento na tua vida, chegas a um ponto que tens sempre os dois olhos ao redor de tudo o que fazes, de com quem estás. A confiança e a desconfiança estão no mesmo patamar. Pois, por vezes, passaste por tanto sofrimento que, nada melhor que a desconfiança ser nossa aliada. A mim, tem dado imenso jeito, felizmente, nunca me falhou.

E acho que já chega. Não vos quero massacrar mais com aquilo que tenho aprendido ao longo destes anos. Afinal, de certo que muitas de vocês são jovens e outros jovens-adultos, e têm que entender que infelizmente, nem todas as pessoas são quem dizem, que a vida se vai alterando e o que fica, é o que aprendemos.